Pacheco Pereira: A memória da diáspora está em risco

Pacheco Pereira: A memória da diáspora está em risco

Pacheco Pereira: A memória da diáspora está em risco

José Pacheco Pereira esteve presente na conferência Portugal +, onde apresentou o projeto Ephemera, o maior arquivo privado português. Em entrevista ao BOM DIA, o investigador em História Contemporânea Portuguesa assumiu-se com “um militante da memória”.

Pacheco Pereira realçou a importância da preservação do espólio da diáspora portuguesa, instando as próprias famílias a guardar “as fotos antigas, correspondência e até alguns objetos como bandeiras de clubes de futebol criados pela diáspora”.

O antigo deputado da Assembleia da República frisou ainda que “sem integrar a história da diáspora não há uma verdadeira história dos portugueses”, alertando para o fato de o estudo da história portuguesa estar demasiado centrado em Portugal continental e ilhas, “a memória da diáspora está em risco”.

No decorrer da entrevista Pacheco Pereira explicou a importância do Ephemera, um acervo privado, arquivo e biblioteca do próprio, gerido de forma pública pela Associação Cultural Ephemera. O intelectual português finalizou a entrevista relacionando a democracia com a memória, vincando que “sem memória não há presente nem democracia, e quem quer acabar com a democracia, em primeiro lugar, tenta apagar a memória.

Partilhar

Instagram

Error validating access token: The session has been invalidated because the user changed their password or Facebook has changed the session for security reasons.